Sobre a instituição

HISTÓRICO DA INSTITUIÇÃO NOSSO LAR

Antonio Cesar Perri de Carvalho

Apresentamos uma síntese sobre a origem, fundação e os desdobramentos iniciais da Instituição Nosso Lar.

Momentos prévios à fundação da Instituição

No ano de 1957, em São Paulo e em seguida, ao retornar de mudança a Araçatuba, Josefina Perri Cefaly de Carvalho (Bebé) tornou-se espírita, e passou a frequentar a residência do casal Irma Ragazzi Martins e Francisco Martins Filho. Irma era médium espírita ligada à Aliança Espírita Varas da Videira. Logo depois Bebé convidou seu irmão Rolando Perri Cefaly (Rolandinho), que também se mudava da capital para Araçatuba, para conhecer as reuniões com Irma. Nessa situação conheceram Emília Santos que visitava Irma, já enferma. Emília, embora residente em Araçatuba, há alguns anos atuava no Centro Espírita Amor e Caridade, da vizinha cidade de Biriguí.

Iniciou-se uma sólida amizade entre os dois irmãos e Emília Santos. A convite desta passaram a frequentar reuniões do Centro Espírita Amor e Caridade, de Biriguí.

Rolandinho iniciava seu trabalho como propagandista (viajante) dos medicamentos da Parke Davis e viajava por toda a região Noroeste do Estado de São Paulo. Bebé havia se transferido como professora primária da capital para Araçatuba, e, coincidentemente, no mesmo Grupo Escolar onde atuava o prof. Lauro Bittencourt, espírita militante e que foi ligado a várias instituições espíritas de Araçatuba.

Rolandinho e Bebé passaram a integrar uma atividade já realizada por Emília Santos e amigos em duas oportunidades do ano: época do dia de São João e do Natal, de distribuição de sanduíches na Santa Casa de Misericórdia, Casa da Criança e Cadeia Pública da cidade de Araçatuba.

Aos 30 de dezembro de 1959, na residência de Emília Santos (uma casa de fundos sita à rua 15 de Novembro), tiveram início as reuniões do Grupo de Estudos Evangélicos João Luiz dos Santos. Este Grupo que, embora criança, tivemos a oportunidade de frequentá-lo desde o início, acompanhando minha genitora Bebé e seu irmão Rolando Perri Cefaly, mais tarde veio dar origem a várias obras. O nome do Grupo homenageava o genitor de Emília Santos, espírito que se manifestava pela psicofonia da filha. Neste Grupo se estudava: O livro dos espíritos, O evangelho segundo o espiritismo, e obras de André Luiz (pelo médium Chico Xavier), então recentes; ocorriam manifestações espirituais e passes. Ao final, Emília Santos oferecia um jantar aos que pudessem permanecer no local.

Surge a Instituição Nosso Lar

A equipe que se formava foi se solidificando. Em 1960 houve a experiência de levar sopa a famílias carentes em bairro periférico e surgiu a ideia de se criar uma entidade assistencial.

Assim, em 7 de outubro de 1960 foi fundada a Instituição Nosso Lar, numa reunião simples que foi registrada em Ata, com a finalidade de abrigar transitoriamente famílias necessitadas e para centralizar tarefas assistenciais do citado Grupo. Registrou-se como seus primeiros dirigentes: Presidente – Rolando Perri Cefaly; Vice-presidente – Emília Santos; 1º secretário – Josefina Perri Cefaly de Carvalho; 2º secretário – Walter Perri Cefaly; Tesoureiro – Pedro Perri.

Rolandinho adquiriu uns terrenos num loteamento que era lançado em Araçatuba, na época distante da cidade, o chamado bairro Planalto, na rua “R”, travessa da extensão da rua Marcílio Dias. Ali ele providenciou uma construção bem simples. Nos primeiros anos, a Instituição era composta de um pátio interno, de forma quadrada, rodeado de casinhas muito simples e geminadas, unidas por uma varanda coberta. No lado esquerdo e atrás de uma das casas havia um pequeno salão. Ao fundo do pátio havia uma sala para a diretoria, uma pequena farmácia e uma cosinha.

A nova obra foi inaugurada aos 2 de junho de 1961 com convidados espíritas da cidade.

Nas casinhas eram albergadas transitoriamente famílias que tinham necessidade de apoio para manutenção, tratamentos e obtenção de ocupação para o casal. Em função de se existirem pequenas casas/lares a Instituição era chamada carinhosamente de “vilinha”.

Aos domingos iniciou-se uma reunião pública num pequeno salão da Instituição, das 10 às 11h30. Era dirigida por Rolando, ocorriam: explanações sobre O livro dos espíritos e O evangelho segundo o espiritismo, manifestação do espírito João Luiz dos Santos pela médium Emília Santos e passes. Os expositores sobre os livros citados, respectivamente, eram Francisco Martins Filho e Lauro Bittencourt. Poucos anos depois José Rubens Braga da Silva substituiu Francisco por quase dois anos, e na sequência passou a falar Antonio Cesar Perri de Carvalho. Lauro Bittencourt foi expositor até sua desencarnação em 1970, sendo substituído pelo próprio Rolandinho. No último domingo de cada mês, ocorria a palestra de um convidado da cidade, oportunidade em falaram Sálvio Costa, Orlando Ayrton de Toledo, Alfredo Yarid Filho, Brasil Nogueira, Aurélio Luiz de Oliveira e outros companheiros. Havia apresentação de poesias e músicas de crianças e adolescentes preparados por Emília Santos.

Após a reunião pública, no pátio interno ainda descoberto, era servida suculenta sopa aos moradores da Instituição e frequentadores do bairro.

Por ocasião do Natal havia uma reunião festiva e oferta de um almoço especial aos frequentadores, lotando o pátio da Instituição.

Emília Santos deu início às Aulas de Moral Cristã Neio Lúcio, para crianças, realizadas antes da reunião pública.

Pouco tempo depois foram adquiridos terrenos vizinhos o que veio permitir a expansão da Instituição.

A Instituição era muito visitada por espíritas da região de Araçatuba. Em abril de 1962 recebeu a visita de Divaldo Pereira Franco que era um dos conferencistas de um grande conclave de jovens espíritas efetivado em Araçatuba.

Desdobramentos iniciais da Instituição Nosso Lar

Aos 7/9/1962 foi inaugurada uma extensão de Nosso Lar, que recebeu o nome de Casa Transitória, situada à rua José Domingues de Almeida no. 410, sendo um local também destinado a albergar transitoriamente famílias. Neste local era realizada uma reunião pública de explanações, como na Instituição Nosso Lar, às 3as. feiras à noite.

Com a desencarnação de Emília Santos, ocorrida aos 26/9/1964, as Aulas de Moral Cristãs foram assumidas por Antonio Cesar Perri de Carvalho que já colaborava com ela. Em 15/11/1964, este fundou a Mocidade Espírita Irma Ragazzi Martins, sendo seu primeiro presidente, congregando dezenas de jovens ligados às famílias dos colaboradores e de frequentadores do bairro, integrando-os nas atividades da Instituição, inclusive de visita em apoio a lares do bairro. Os jovens passaram a realizar mensalmente na cidade a “Campanha do Quilo”, para angariação de alimentos para a Instituição. Veio a ser a primeira mocidade como departamento de uma instituição, pois até então elas eram autônomas. Do início desta Mocidade emergiram vários futuros dirigentes e colaboradores de Nosso Lar e de outras instituições e também expositores como, na turma de fundadores: Ismael Gobi, Neusa Gobi, Sônia Gobi, Barcelo Ângelo Cintra, Olga Ângelo Cintra, Eloína Ângelo Cintra, Fernandina Pedroso, Antonieta Maria Cristina Perri de Carvalho Barcelos, e, em seguida, Paulo Sérgio Perri de Carvalho, Osvaldo Rodrigues da Fonseca Filho e Hélio Poço Ferreira. A Instituição Nosso Lar foi sede de vários eventos de jovens, reunindo as Mocidades Espíritas da cidade.

No dia 1º de janeiro de 1966, em reunião festiva proferida pelo confrade José Rubens Braga da Silva, e com convidados da cidade, foi inaugurada a Casa da Sopa Emília Santos, sita à rua São Vicente no. 336. Esta instituição passou a oferecer sopa diariamente a pessoas sem lar, moradores de rua e hospedados no Albergue Noturno da cidade. Foram dedicados zeladores o casal Auzília e Pedro Gobi.

Como campanha em benefício da construção da Casa da Sopa, foi editado em 1965 um pequeno livro – Gotas espirituais -, uma coletânea de frases espíritas, realizada por José Rubens Braga da Silva, e impresso na Gráfica Araçatubense, de propriedade do casal Edwiges (Bijú) e Honório de Oliveira Camargo, tios dos irmãos Rolandinho e Bebé. Colaboramos com o desenho da capa.

Ainda no final dos anos 1960, a rua “R”, onde se localiza a Instituição Nosso Lar, passou a ser designada Rua Emília Santos.

Com a aposentadoria de Rolandinho, por motivo de saúde, este passou a se dedicar em tempo integral à Instituição. Rolandinho realizava campanhas para doações para a Instituição e contava com apoio de famílias da cidade e amigos dos seus tempos de juventude.

Entre os colaboradores destacamos Abílio Fernandes da Silva, recém vindo Portugal, tornou-se espírita e amigo de Emília Santos, participou da criação do Grupo de Estudos Evangélicos João Luiz dos Santos, simples e discreto, e até sua desencarnação foi um fiel apoiador de Rolandinho.

O ano de 1972 assinalou o aparecimento de duas novas atividades.

Em 15 de novembro de 1972 foi inaugurado o Centro Espírita Luz e Fraternidade, ao lado da Casa da Sopa Emília Santos, o qual veio tornar pública as reuniões do Grupo de Estudos Evangélicos João Luiz dos Santos, que vinham se realizando na residência de Rolando Perri Cefaly e da qual também participávamos. Inicialmente somente havia uma reunião pública às 6as. feiras. Assim, o antigo Grupo de Estudos originou no Centro nascente.

Uma semana depois, no dia 2 de dezembro de 1972, foi inaugurada a Creche e Lar João Luiz dos Santos como departamento e nas próprias dependências da Instituição Nosso Lar. Bebé, já aposentada do magistério, veio a coordenar as atividades da creche. A essa altura já estava desativada a atividade de oferecer casas/lares a necessitados na Instituição Nosso Lar e na Casa Transitória.

Na realidade existiam apenas duas instituições com personalidade jurídica: a Instituição Nosso Lar, incluindo a Casa Transitória e a Creche, e, a Casa da Sopa Emília Santos, incluindo o Centro Espírita Luz e Fraternidade.

Assinalamos que as construções da Casa da Sopa, do Centro e da Creche foram de responsabilidade de Albino Marinelli, antigo construtor credenciado pelo CREA, e tio de Rolandinho e Bebé.

Essa é a síntese do esforço intenso de Rolandinho, Emília Santos, Bebé e vários colaboradores dedicados que fundaram a Instituição Nosso Lar, e que num prazo curto de tempo resultou nos desdobramentos: Casa Transitória, Casa da Sopa Emília Santos, Creche João Luiz dos Santos e Centro Espírita Luz e Fraternidade.

Observação:

Os dados sobre as instituições e as biografias de várias pessoas citadas encontram-se em:

– Carvalho, Antonio Cesar Perri. O espiritismo em Araçatuba. Araçatuba: UMEA. 1975;

– Gobi, Ismael (Org.). Obra de vultos (Vol I). Araçatuba: USE Regional de Araçatuba. 1999;

– Gobi, Ismael (Org.). Obra de vultos (Vol II). Araçatuba: USE Regional de Araçatuba. 2000.